•  

      SELO_23_ANOS  SELO_CERTIFICACAO   SEJA_UM_APOIADOR

02/03/2020 – Home Office contra o Coronavírus e o RESTO? (02/03/2020)

 

 FIQUE POR DENTRO

Desde a explosão do Coronavírus na China, no início do ano, muito tem se falado nas possibilidades do home office para ajudar a conter as transmissões do vírus.

A imprensa chegou a divulgar que a China teria feito a maior experiência de home office do mundo, já que precisou colocar muita gente em quarentena e empresas tiveram que ficar fechadas para evitar a circulação de pessoas. Me chamou atenção que a China não estava preparada para o home office e alguns relatos mostraram que gestores e funcionários não sabiam como trabalhar de casa. Relatos também sinalizaram que várias outras cidades pelo mundo começaram a deixar funcionários fazerem home office nesse momento. 

Agora, o Coronavírus chegou ao Brasil e recebi muitos textos fazendo relações sobre o vírus e como é importante trabalhar em casa e ser produtivo no home office. Mas uma informação apareceu repetidamente e resolvi investigar melhor: a Organização Mundial de Saúde (OMS)  estaria recomendando o home office para evitar a transmissão do Coronavírus.

Pensei: é isso mesmo? Se for, é muito legal e pode ser uma boa publicidade para esse modelo que tem tantos benefícios, mas só é lembrado na hora das tragédias. Tem greve? Pode fazer home office. Tem catástrofe ambiental? Home office liberado. Não queremos que as empresas parem de lucrar com a chegada do Coronavírus? Bora deixar todo mundo trabalhar em casa!

A principal recomendação da OMS neste momento é que a população atue na prevenção contra a disseminação do COVID-19, como é chamado o vírus. As empresas são um dos alvos nesse combate desse combate. 

Entre as recomendações estão: certificar que as superfícies estejam sempre limpas e higienizadas, incentivar os funcionários a lavarem as mãos com mais frequência e garantir a higiene respiratória dos colaboradores. 

O home office é recomendado em caso de qualquer sintoma suspeito. A OMS recomenda que qualquer profissional com  tosse e febre a partir de 37,3° C fique em casa. A recomendação também vale para quem estiver usando paracetamol, ibuprofeno ou aspirina, já que esses medicamentos podem mascarar os reais sintomas de infecção pelo vírus. 

Bom, então a OMS, de fato, só está recomendando o home office para casos suspeitos. Não há razão para pânico e as empresas não precisam sair fechando as portas desesperadamente e mandando todo mundo trabalhar em casa – especialmente se não existe política ou treinamento para isso. 

Você pode conferir o documento da OMS na íntegra clicando aqui.

Mas e as outras doenças?

O que realmente me chamou atenção foi essa mobilização toda em torno do Coronavírus e as ações de isolamento de funcionários, que não se repetem para outras doenças. Quantas vezes você já foi trabalhar muito gripado, mesmo sabendo que poderia transmitir a doença para os colegas de escritório? Quantas vezes já foi trabalhar com virose ou desconfortos gastrointestinais? Todos os dias milhares de funcionários batem ponto nas empresas, mesmo estando doentes. É o tipo de sintoma que deve passar em um ou dois dias, que você já sabe que não vale a pena ir ao médico ou pegar um atestado, mas, mesmo assim, não pode ficar em casa se recuperando e evitando a transmissão.

E se, a partir de agora, as empresas começassem a tornar essa uma possibilidade válida? Já que começaram a colocar em prática com o coronavírus, pode valer para qualquer doença/sintoma. Uma política de home office válida e eficiente, que não questione quando um funcionário sinaliza que é melhor ficar em casa, pelo próprio bem e dos colegas. 

Que fique claro que não se trata de aproveitar o home office para trabalhar enquanto o funcionário está de atestado, por exemplo. O atestado médico é um documento utilizado para justificar e abonar as faltas de um empregado de seu serviço devido à alguma incapacidade para o trabalho seja por doença ou acidente, e se alguém apresentou atestado, deve ficar descansando e se recuperando para voltar plenamente ao trabalho. Muitas empresas acham que o home office é uma opção durante o atestado e não é! 

Desmistificar o home office

Chega de apoiar o home office apenas quando convém ou quando fica bonito externamente. Políticas moderadas de home office (não estamos falando em acabar com o escritório e colocar todo mundo pra trabalhar em casa) fazem bem para a produtividade e preparam a equipe para atuar longe do escritório em casos extremos, como greves, chuvas fortes ou doenças transmissíveis. Além disso, fazem com que o colaborador trabalhe melhor e mais confiante, sabendo que existe a possibilidade de ficar em casa também quando o problema foi particular e único. 

Adoro Home Office

<< Voltar